sábado, 22 de novembro de 2014

VAZIO - N° 518

Um dia desses, o meu amigo e colega, Prof. Attico Chassot,  nos desafiou a enfrentar uma página em branco. Confesso que se trata de um risco sério. Bom... saiu isso que está aí abaixo:


"Tenho uma enorme angústia quando vejo esta página, assim, sem nada. A mim parece que o mundo perdeu seu sentido, deixou de existir. Tenho uma sensação de vazio, de nada, de abismo sem fundo. Minha compulsão imediata é tomar a caneta e preencher todos os espaços com uma narrativa que faça sentido, que pelo menos tenha o sentido de me transportar da sensação niilista para a noção de que há sentido nestes espaços, que agora, não estão mais imersos no nada!".

Um comentário:

  1. continuando (vale o desafio da construção a seis mãos):

    "Tenho uma enorme angústia quando vejo esta página, assim, sem nada. A mim parece que o mundo perdeu seu sentido, deixou de existir. Tenho uma sensação de vazio, de nada, de abismo sem fundo. Minha compulsão imediata é tomar a caneta e preencher todos os espaços com uma narrativa que faça sentido, que pelo menos tenha o sentido de me transportar da sensação niilista para a noção de que há sentido nestes espaços, que agora, não estão mais imersos no nada!"
    O branco da página ainda segue ali, zombeteiro e desafiador. Ele por vezes instiga a criação, brincar de Deus diante de um éter que clama o Fiat Lux divino. Não tenho a habilidade de desenho de minha irmã, mas até que tento desfi(l)ar o caminho das letras e outros signos.
    Palavras vão brotando, como botões de flor numa planta. De toda a verdade, algo me inquieta, me desassossega, me faz colocar o que penso e o o que penso-que-penso em papel, tela de computador ou na tela do celular, apressadamente.
    O desafio da folha branca vai se tornando interessante. É como se o colocar as ideias para fora se tomasse de um sentido, não o mero e diletante desafio de preencher espaços. O que estava na mente, embrionárias ideias, vai ganhando forma. As idas e vindas da vida no ano, as mudanças, de professor a aluno, o retomar de sonhos, tudo vira (ins)piração para a frase, para o texto.
    O abismo de Garin aos poucos se torna uma baixada sem o susto das alturas. Estamos em terra firme, em chão seguro. E segue a escrita...

    ResponderExcluir